O Ano Em Que Te Conheci – Cecelia Ahern


img_20160808_122641950

“O ano em que te conheci” (The Year I met You), romance da irlandesa Cecelia Ahern, autora de P.S. Eu Te Amo e Simplesmente Acontece, é mais um romance da autora, que chegou ao Brasil pela Editora Novo Conceito. 

Você lembra o dia em que por algum motivo sua vida virou de ponta cabeça? Lembra em que momento você se perdeu de você mesmo e perdeu o controle das coisas? Lembra do momento em que, por ironia do destino, encontrou uma pessoa que foi como um reflexo para você e te ajudou a superar esse momento caótico da vida? 

Todos nós temos momentos marcantes em nossas vidas, períodos que influenciaram mudanças pequenas ou profundas dentro de nós. Posso pensar em quatro momentos transformadores para mim: o ano em que nasci, o ano em que soube que ia morrer, o ano em que minha mãe morreu e agora tenho um novo, o ano em que te conheci.

Jasmine e Matt são vizinhos, mas sempre estiveram ocupados demais com o trabalho a ponto de não se importarem um com o outro ou se falarem, muito menos desenvolver interesse para uma amizade. Jasmine nutre por Matt uma antipatia e não faz esforço algum para admitir, ela sabe o motivo que a faz não suportar o rapaz, um radialista com um programa famoso na cidade. Agora eles estão vivendo um período conturbado na vida: ambos estão afastados do trabalho, numa licença forçada. Como agora estão com tempo de sobra, nas vésperas do ano novo seus olhares se encontram pela primeira vez e nesse período dramático de suas vidas, com tantos problemas familiares e sociais, os dois são obrigados a analisar suas atitudes e admitir que precisam de ajuda. Talvez eles sejam a solução um do outro e enquanto as estações do ano passam uma amizade acontece de maneira inusitada. Uma grande amizade pode ser encontrada nos lugares mais inusitados.

Mais uma vez você será tomado pela emoção com uma história escrita pela Cecelia Ahern. O Ano em que te conheci é um livro tocante sobre amizade e sobre como olhar para dentro de si mesmo e olhar ao redor pode mudar o rumo das coisas na sua vida. Parece que diante dos problemas nos fechamos dentro de nós, nos tornamos egoístas e esquecemos de observar nossas falhas. Nessa história o leitor vai perceber que Matt e Jasmine servem como um espelho um para o outro, e ambos, ao mesmo tempo, reconhecem suas falhas e tentam dar um novo rumo à vida que estão vivendo. Eles decidem fazer diferente e a partir daí, uma amizade verdadeira entre eles acontece. 

Mas, quando baixei a guarda, suas palavras me deram calor. Foi bom não estar sozinho aqui fora, pelo menos uma vez. Quando você disse essas palavras, elas me confortaram. E então  também não em senti sozinha. – pág.: 109

A história é repleta de metáforas e totalmente poético. O drama mistura-se com diálogos cheios de humor e os personagens complexos torna o enredo ainda mais atraente. Quem são essas pessoas? O os levou a agir de tal maneira? Quais fatores influenciaram nas escolhas e nas atitudes deles? A narrativa em primeira pessoa justifica a “limitação” pela qual o leitor passa durante a leitura, quando as descobertas são feitas ao mesmo tempo: o leitor funde-se ao personagem, a sensação de catarse é uma constante e você começa a perceber coisas que podem ser melhor analisadas sobre suas próprias atitudes perante os problemas da vida. Diria que a narrativa desse livro – muito diferente das narrativas dos outros livros da autora – é como um monólogo.

A autora inseriu na história um personagem com síndrome de down, que é a irmã mais velha, e trabalhou a personagem de maneira leve, mostrando a naturalidade com a qual pessoas com down merecem ser tratadas. No livro, a protagonista tem atos de super proteção com a irmã, que leva uma vida normal, com um emprego, sabe o que quer e faz o que se propõe da melhor maneira. Claro que Ahern aborda a questão do preconceito contra essas pessoas, mas acima de tudo esclarece nesse sub-tema o quanto uma criança e um adulto com essa condição podem viver muito bem. 

Quando Heather compartilha seu conhecimento, as pessoas sempre se surpreendem e ficam impressionadas. E o que acontece quando elas percebem que estão impressionadas com ela? Como todos nós, ela floresce. – pág.: 87

O Ano em Que te Conheci é um livro sensível e tocante, que acima de tudo fala sobre amizade e descoberta. Uma história sobre recomeços e novas perspectivas, e como diria o jornal da Irlanda, Irish Independent,”uma história comovente sobre o que podemos aprender com os outros, se deixarmos de lado nossos preconceitos.” 

Mas rosas como eu e você, também têm problemas. Rosas plantadas em solo onde outras foram plantadas por muitos anos tendem a sofrer com doenças. Se você plantar rosas novas nessa situação, é preciso trocar o máximo do solo antigo por solo fresco de outra parte do jardim onde rosas nunca foram plantadas antes (…) É melhor se mudar, arrancar as raízes e começar de novo; só então poderemos florescer. – pág. 326

Ano de publicação no Brasil: 2016

Editora: Novo Conceito

Número de páginas: 335

Autora: Cecelia Ahern

Título Original: The Year I Met You

Ano de Públicação Original: 2014