5ª Edição do CdB Talks – Festival de Cannes


O CdB Talks faz parte do programa “Encontros com o Cinema Brasileiro” que está sendo realizado pelo quarto ano através de uma parceria firmada entre o Cinema do Brasil e a Ancine, com o intuito de aumentar a visibilidade do cinema Brasileiro no cenário internacional, investindo na aproximação das relações com os curadores dos mais importantes festivais de cinema.

A 5ª edição do CdB Talks aconteceu no dia 03 de março, no MIS – Museu da Imagem e do Som de São Paulo e teve como convidado o curador do Festival de Cannes, François Lardenois.

O evento que durou cerca de uma hora, contou ainda com a participação dos mediadores Eduardo Valente, cineasta e assessor internacional da Ancine e da Dra Ana Letícia Fialho, gerente executiva do Cinema do Brasil.

Dra Ana Letícia Fialho, François Lardenois, Eduardo Valente, Priscila Miguel.
Dra Ana Letícia Fialho, François Lardenois, Eduardo Valente e Priscila Miguel.

Nele François contou um pouco sobre como funciona o processo de curadoria do Festival de Cannes, que acontece todos os anos no mês de maio, na cidade Francesa. Segundo ele, seu trabalho basicamente consiste em assistir aos filmes inscritos e dar uma opinião precisa sobre eles, identificando aqueles que melhor se adequam ao perfil que o festival requer. Sendo que esse trabalho se inicia por volta dos meses de novembro ou dezembro e vai até o mês de abril.

Questionado sobre o que faz do filme um candidato em potencial para o festival, ele respondeu que tudo é uma questão de simplicidade, que ele busca um longa que explore elementos da realidade do seu país origem. E ainda utilizou o filme Japonês Sabor da Vida, dirigido por Naomi Kawase e lançado em dezembro de 2015 como um exemplo perfeito disso.

Após assistir aos filmes que lhe foram designados, ele se reúne com os outros curadores, que passaram pelo mesmo processo, em uma série de reuniões para discutir e decidir quais irão para as seletivas oficiais, assistindo juntos os que forem selecionados, e embora nem sempre seja possível, o objetivo é encontrar representantes de todos os continentes.

Ele ainda disse que eles assistem à todos os filmes que são inscritos, seja através de produtoras ou de forma independente, contudo ele esclarece que as chances de conquistar um prêmio no festival realmente são maiores quando trata-se de um filme associado à uma produtora, uma vez que a promoção desses é maior.

No vídeo abaixo François diz que a sua vinda ao país foi uma parceria com a Ancine e o Cinema do Brasil, para assistir filmes em potencial para o festival desse ano. E que esse encontro é uma boa oportunidade de diretores e cineastas compreenderem como funciona o processo de eleição para festivais, em especial em Cannes, mas também Berlim, Veneza e Toronto, uma vez que os processos são bem semelhantes. O que os curadores pensam, quais são as suas expectativas, não somente em relação diretores Brasileiros, como também de outros países.