The Breakdown

Data de lançamento 18 de outubro de 2018 (1h 31min) Direção: Pascal Laugier Elenco: Crystal Reed, Anastasia Phillips, Emilia Jones mais Gênero Terror Nacionalidades França, Canadá
6.5

Quando seu nome como diretor se torna conhecido graças a um grande filme, essa repercussão pode se tornar uma faca de dois gumes. Por um lado, um segmento maior do público pode estar interessado em projetos futuros, mas, por outro lado, se esses projetos não forem adequados, a decepção pode ser grande. Beth, sua irmã Vera e sua mãe se mudam para a antiga casa de sua falecida tia. No entanto, o que parecia ser uma noite normal na nova casa, em breve será se torna em algo bastante estranho quando desconhecidos invadirem a casa.

Com essa sinopse, pode-se deduzir que esse é um exemplo claro de invasão domiciliar. Mas devo também alertar que este é um daqueles casos em que é melhor entrar no filme sabendo o mínimo possível, porque aqui tem muito mais do que aparenta.

Halloween | Crítica

Claro, toda essa atmosfera de terror é muito bem sucedida graças a uma esplêndida casa cheia de quartos e cantos misteriosos (o que também ajuda é a presença de muitas bonecas). Para somar ainda mais, tais estranhos invasores não possuem nenhum tipo de motivação. Eles são simplesmente sádicos que apreciam suas torturas, e às vezes assim a falta de justificativa pode ser ainda mais arrepiante do que se houvesse razões.

Da mesma forma que o diretor Pascal Laugier Gênero fez no seu filme Mártires, ele mais uma vez coloca as mulheres no eixo da ação. Essa dinâmica entre irmãs é tão crível tanto quando são adolescentes quanto quando são mais adultas, e é claro que todas as atrizes deixaram sua pele e sangue no set. E pessoalmente eu gostaria de destacar Crystal Reed como Beth, uma personagem difícil e que se tornou minha revelação após este filme .

Spectral | Crítica

No entanto o filme ainda é marcado por um defeito. Pode ser um defeito pequeno, algo insignificante, mas infelizmente é algo que pode pesar no todo. E neste caso, a falha é a curva que a trama faz ao se prolongar mais do que deveria. Talvez seja uma concepção muito subjetiva, mas pode ser um pouco trapaceira e cansativa. O pior é que chega a metade do filme e, a partir daí, o interesse decai, apesar do fato de que ainda há muitas cenas para se ver. As vezes isso é algo completamente desnecessário.

Em suma, é um filme de terror muito competente em que o diretor mostra seu bom comportamento nos bastidores

Previous Halloween | Crítica
Next Para Todos os Garotos que Já Amei torna-se um dos filmes mais vistos da Netflix

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *