The Breakdown

Duração 1h 40min Direção: Liam Gavin Elenco: Steve Oram, Catherine Walker Gêneros Terror, Drama Nacionalidades Irlanda, Reino Unido
9.5

Sophia Howard (Catherine Walker) é uma jovem decidida que contrata um estranho ocultista (Steve Oram) para realizar um ritual que irá arriscar não só suas vidas e almas, mas também a própria essência de seu ser.

Boar | Javali gigante ataca no novo terror australiano

Com roteiro e direção de Liam Gavin, A Dark Song vem acompanhando a tendência de alguns filmes como “Corra”, “A Ghost Story” ou até mesmo “Mãe!”. Filmes que resgatam o sentido do terror, que não é apenas assustar. É nos fazer pensar sobre nosso medos e a própria condição humana. Nessa história acompanhamos uma mãe que é capaz de tudo por seu filho. É necessário ter paciência com esse filme. Tudo é desenrolado como um novelo de lã, é necessário tempo para que não fiquem nós no meio do fio. Todas as intenções são mostradas progressivamente e há sempre um questionamento do sobre as reais intenções dessa mulher. E é aí a grande força da história. Quando soubemos o que ela realmente quer tudo faz mais sentido. É um sentimento humano, cultivado por dois anos e que precisa ser curado.

Quanto a direção, Gavin, apesar de estreante, mostra muito bem como conduzir esse tipo de filme. Claustrofóbico, com uma atmosfera de mistério e medo, ele constrói uma narrativa convincente. É uma narração lenta, mostra o dia a dia de um ritual ocultista e, na maior parte do tempo, paira a dúvida se realmente algo está acontecendo, sendo inteligentemente conduzida para o tempo todo renovarmos o questionamento. Na sua terça parte final vemos um terror genuíno! Vale a pena por toda a espera e, de fato, tememos o destino daquelas duas pessoas. E o destaque é sua parte final, surpreende, é bonita e dá um giro em toda a história. Final de uma jornada muito humana. É bonito e poético.  

Aniquilação | Crítica

Os dois únicos atores aqui fazem um trabalho excepcional. Sem que a química deles funcionasse não teríamos filme. Sorte que funciona. É uma relação que oscila entre o conflito e empatia fazendo a história andar e criando uma relação próxima entre eles e o espectador.

A Dark Song é uma jornada humana. Aceitação, força de vontade, vingança e principalmente perdão. Seu final é surpreendente, emocionante e bonito. Mais um excelente filme dessa boa safra do terror (pós)moderno.

No Comment

Queremos saber o que você achou. Comente!