A Viagem de Meu Pai | Crítica


A vida em sua forma mais pura e realista, para ser contemplada e refletida. Nenhum efeito pode ser mais poderoso ou mágico do que o reflexo que encontramos no espelho. Essa é a essência da comédia dramática francês “A viagem de Meu Pai”, com pinceladas de muito bom humor, o diretor Philippe Le Guay nos oferece a história de Claude Lherminier (Jean Rochefort), um homem que no alto de seus 80 anos se encontra perdido dentro de si e de suas memórias.

Embora não focando na doença em si ou em seu tratamento (o Mal de Alzheimer é praticamente mais um personagem), mas em todas as vivências desse homem nos últimos 9 anos de sua vida até o presente momento, nos tornamos testemunhas de suas lutas, conquistas e derrotas.

Mesclando flashbacks e momentos atuais, o longa tem uma composição linda de fotografia e trilha que envolvem ainda mais o espectador no mundo de Claude. Há muito verde e natureza e ainda muitos detalhes na decoração de sua casa, que no andar inferior tem grande parte de sua estrutura feita de madeira e vidro, as cores externas são muito vivas e brilhantes, devido a essa estrutura de vidro esse brilho durante o dia se reflete no interior da casa, entretanto com o cair da noite um tom caramelo ocupa o lugar, onde se passam grande parte das cenas.

Embora seja um personagem teimoso e esteja vivendo momentos difíceis, Claude não se deixa abater, pelo contrário, está sempre buscando uma forma de conseguir o que deseja, nem que para isso se aprofunde ainda mais na fuga das memórias causada pelo Alzheimer. Agregando a esta força, temos a energia do seu humor ácido e de seu jeito irreverente e muitas vezes doce, especialmente quando ele fala sobre a relação de suas filhas.

A Viagem de Meu Pai

Carole (Sandrine Kiberlain), é sua filha mais velha e representa uma realidade muito comum nas famílias, que é a da pessoa que fica, ou seja, enquanto todos os outros vivem suas vidas, muitas vezes se distanciam, ela é aquela que permanece e enfrenta todas as dificuldades, ainda que para isso precise abdicar de suas próprias necessidades, mostrando que o amor pela família é uma força muito grande e pode muitas vezes nos privar de nós mesmos e nossos anseios.

Sem as maquiagens e artifícios que estamos habituados a encontrar em filmes mais populares, o longa “A Viagem de Meu Pai” que chega aos cinemas nacionais hoje, quinta-feira, 11 de agosto (embora já tenha sido exibido no Festival Varilux de Cinema Francês que aconteceu durante o último mês de junho) nos mostra a vida como ela é, e prova que há beleza mesmo em seu momentos mais difíceis, cabendo a nós buscar o melhor ângulo, a melhor luz, o melhor sorriso para que possamos superar as adversidades.

Confira mais no trailer!


Elenco: Jean Rochefort, Sandrine Kiberlain, Laurent Lucas
Direção: Philippe Le Guay
Roteiro: Philippe Le Guay, Jérôme Tonnerre, Florian Zeller
Gêneros: comédia dramática
Nacionalidades: França

 

Nota do filme:  [yasr_overall_rating size=”medium”]