Amor.com | Crítica


Dos tempo em que pra ser amor tem que estar atualizado no status da rede social, que tudo é postado, compartilhado, curtido, já não se sabe mais o que é natural ou ensaiado. O que você faz, o que você come, com quem você está, nada mais é segredo, a não ser o que muitas vezes de fato se passa dentro de você.

Partindo disso, “Amor.com”, estrelado por Isis Valverde (Katrina) e Gil Coelho (Fernando), trabalha com o que se passa distante e diante das lentes dos celulares e computadores de seus protagonistas e de que maneira isso influencia suas vidas e daqueles que os cercam, seguem e alimentam a onda crescente de consumo das gerações Y e Z.

Em tempos em que likes viraram moeda de troca, o filme mostra que mesmo o amor padece na neura do maior alcance e da visibilidade, porque não basta ser amor, tem que ser público, não basta ser amizade, tem que ser mostrada, não basta ser feliz, tem que exibir, não basta ser triste, tem que sensibilizar. Nossas palavras ultrapassam nosso metro quadrado e ganham o mundo, o universo, a medida que se propagam indefinidamente por aí. Elas deixam de nos pertencer e passam a fazer parte do coletivo, se tornam senso comum. #ComFiltro, #SemFiltro e um sem fim de hashtags que promovem um crescente de visualizações. Estamos reféns da tecnologia e de tudo aquilo que ela nos permite fazer e ser.

E o que tudo isso pode significar? Ego? Carência? Medo? Autoafirmação? ou seria apenas mais um modo de tornar a máxima “A Felicidade Só É Real Quando Compartilhada” (Christopher McCandless em Na Natureza Selvagem”)? Provavelmente uma fração de cada e mais uma fração de muitas outras sensações e necessidades humanas. Considerando que os tempos mudaram e a nossa necessidade de nos comunicar acompanhou e cresceu com a evolução dos tempos modernos, as redes sociais se tornaram uma extensão de nós, contudo apenas a parte que desejamos mostrar ao mundo. Entretanto o filme como um bom exemplo nos mostra que isso nem sempre é possível, pois após ultrapassar algumas barreiras, fica difícil retornar ao estado inicial. A vida não é algo exatamente passível de edição e mudar não significa especificamente apagar o passado como se apaga fotos e momentos do Instagram, Facebook, Youtube e tantos outros Apps, todavia seguir outros caminhos ou modo de agir.

Tudo isso fica subentendido diante de um romance fofinho e da boa química e atuação dos atores. A crítica às conexões apenas virtuais, da era do deixar-se apenas influenciar, absorver os pensamentos e reproduzir modos de vida alheios e ainda a banalização das relações humanas estão lá, embora não explorados em profundidade. É um filme com uma boa temática, atual e que domina a linguagem das mídias sociais, entretanto perde a chance de compartilhar algo mais marcante e que reverbere positivamente em seus expectadores, uma vez que optou por abordar tal questão.

Título Original: Amor.com

Lançamento: 01 de junho

Direção: Anita Barbosa

Roteiro: Saulo Aride, Bruno Garotti e Leandro Matos

Elenco: Isis Valverde, Gil Coelho, Joaquim Lopes, Alexandra Richter, Carol Portes, César Cardadeiro, João Cortês, Aline Guimarães, Marcos Mion, Felipe Roque

Gênero: Romance

Nacionalidade: Brasil

[yasr_overall_rating size=”medium”]