As Confissões | Crítica


Cercado por todo um clima de suspense e conspirações, o drama “As Confissões” do diretor italiano Roberto Andó, que só estreia no Brasil em 17 de novembro (mas que será exibido durante a programação da 8 1\2 Festa do Cinema Italiano que ocorrerá entre os dias 25 e 31 de agosto), tem um roteiro que te prende do início ao fim.

The confessions (9)

A trama se passa quase que inteiramente em um grande e luxuoso hotel na Alemanha, no qual estão reunidos poderosos políticos prestes a tomar uma decisão que irá afetar a economia mundial de uma forma muito brusca, contudo além deles também foram convidados um cantor popular, uma jornalista ativista e o monge Roberto Salus (Toni Sevillo), que será o responsável direto por mudar os rumos de tudo que está prestes a acontecer ali.

The confessions (59)

Como em um tabuleiro de xadrez, cada personagem esta posicionado em busca de uma vitória, entretanto nenhum personagem é onisciente e nem mesmo o público consegue saber exatamente cada detalhe, o monge com sua sabedoria (e comprovando que informação é poder) torna-se o jogador que manipula essas peças e numa espécie de blefe, faz com que aquilo que colhe durante as suas conversas com os envolvidos se torne um instrumento que irá guiá-los para um desfecho inesperado.

Com uma fotografia belíssima, o longa tem seu início mostrando que não é apenas Berlim que tem muito verde (a capital alemã possui o título de cidade mais verde da Europa), uma vez que todo o trajeto do aeroporto até o hotel feito pelo monge é rodeado de muita natureza, além de muitas árvores em seus arredores, o hotel também está próximo do mar.

The confessions

A trilha sonora compõe harmonicamente com todo o clima de poder, jogo de interesses, egos e medo, apresentando em grande parte do longa canções eruditas e ainda uma popular, Walk on the wild side (Lou Reed) tocada e cantada pelo cantor que faz parte do grupo e pela premier canadense.

The confessions (20)

Outro detalhe interessante é que embora seja um filme italiano\francês, os idiomas inglês e alemão também foram utilizados em várias cenas, contribuindo assim para evidenciar toda a mescla de países e culturas envolvidas na trama.

Um filme inteligente, com um elenco bem orquestrado e que mostra que a informação e a falta dela definem mais o futuro das nações que os anseios e desejos do povo.

Título Original: Le Confessioni
Direção: Roberto Andò
Roteiro: Roberto Andò, Angelo Pasquini
Elenco: Toni Servillo, Daniel Auteuil, Pierfrancesco Favino
Gênero: Drama

Nota do filme: [yasr_overall_rating size=”medium”]