Nota:

Data de lançamento 18 de maio de 2018 na Netflix (1h 45min) Direção: Ben Howling, Yolanda Ramke Elenco: Martin Freeman, Anthony Hayes, Caren Pistorius mais Gêneros Suspense, Terror Nacionalidade Austrália
7.0

Expandir um curta metragem não é uma tarefa fácil. Poucos filmes conseguem alcançar essa proeza, ainda mais dentro do gênero de horror. O casal australiano  Ben Howling e Yolanda Ramke iniciaram sua viagem com o curta ‘Cargo’ 2013, e agora tem 14,5 milhões de reproduções e um filme completo na Neftlix . Com o mesmo título que o seu antecessor, o filme é uma jornada zumbi pós-apocalíptica.

Confira o curta: (SPOILER)

Imagine uma Austrália atormentada por uma peste zumbi. Não há explicação óbvia, mas o mundo acabou e a sobrevivência é a maior prioridade. Andy (Martin Freeman), sua esposa (Susie Porter) e sua pequena Rosie viajam em um barco que está ficando sem comida e precisam retornar à civilização para reabastecer. A situação vai levar a família a enfrentar o episódio mais temido.

Antes que eu me esqueça | Crítica

Esse acontecimento foi uma ótima ideia para gerar ansiedade no espectador, há uma situação limite que envolve o tempo, e o tempo aqui voa. Esse evento permite dar dimensão dramática a Martin Freeman, um ator que já demonstrou todas as suas habilidades para transmitir com um olhar ou um simples gesto o que acontece com seu personagem. O resto é a árdua jornada pela paisagem do deserto australiano para proteger o futuro da sua família.

Ben Howling e Yolanda Ramke conseguem dar ao seu projeto uma identidade própria. As cenas naturais são uma beleza, digna de admiração em toda a sua imensidão. O lado aborígine local também dá a ‘Cargo’ um misticismo característico, representado pela pequena Thoomi, interpretada pela novata Simone Landers – que entra em contato com o protagonista e assim formam uma adorável aliança de sobrevivência.

Pesquisar leandro Falamos com Leandro Hassum sobre ‘Não Se Aceitam Devoluções’

O tema do amor paterno em tempos de sobrevivência é o princípio que originou todo o projeto, e em nenhum momento é questionado graças ao incomparável trabalho de Freeman.

Mas ‘Cargo’ não está isento de falhas. Apesar de suas virtudes, a expansão do curta para longa exige expondo o protagonista a certos perigos. É nesses momentos onde o filme apresenta movimentos simplesmente para estender a duração da mesmo. Há personagens secundários que ajudam, e outros que são pedras no destino final de Andy, e o resultado é desequilibrado. No final das contas esse filme vai lhe entreter, mas talvez precisasse de ajustes nos detalhes.