Cartas Para Um Ladrão de Livros | Filme estreia amanhã; assista à entrevista com os diretores


Chega amanhã, dia 1º, aos cinemas brasileiros, “Cartas Para Um Ladrão de Livros”. Filmado durante cinco anos, o documentário conta a história de Laéssio Rodrigues de Oliveira, um jovem obcecado pela artista luso-brasileira Carmem Miranda que acabou se tornando o maior ladrão de obras raras do país.

De infância pobre, Láessio viu, no que começou como uma tentativa de satisfazer as suas urgências como fã, uma oportunidade de crescer na vida e fazer certa fortuna. A empreitada acabou levando Laéssio para a cadeia diversas vezes – onde se encontra nesse momento – e trouxe notoriedade ao rapaz, mesmo que de forma deturpada. Ainda assim, Laéssio não se arrepende de seus crimes e diz, em uma das passagens do documentário, que prefere ser preso e rico do que livre e “fodido”.

Carismático, inteligente e culto, ele ainda defende que seu “trabalho” ajuda a salvar as obras de arte que rouba pois, ao tirar livros de caixas abandonadas em bibliotecas públicas, por exemplo, e entregá-los a colecionadores que tratarão aquelas obras conforme o seu valor, ele dá uma nova vida àquilo. No final, segundo Laéssio, tudo aquilo retorna ao lugar de onde foi tirado, de qualquer forma.

Mais um fruto da parceria entre os jornalistas e cineastas Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini, diretores dos filmes Carne e Osso (2011), Jaci, Sete Pecados de Uma Obra Amazônica (2015) e Entre os Homens de Bem (2016), Cartas Para Um Ladrão de Livros traz uma história digna de filmes hollywoodianos, muito bem trabalhada pelos seus experientes diretores (Barros também é roteirista e dirige programas em parceria com o Canal Futura; e o Cavechini está no programa “Profissão Repórter”, da Rede Globo, desde a sua estreia, em 2006, onde hoje atua como editor-executivo).

A Priscila Miguel teve a oportunidade de assistir ao filme em outubro do ano passado, durante a 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, que ocorreu entre 19 de outubro e 1º de novembro. À época, ela ainda pôde conversar com os diretores e o produtor do documentário, Gustavo Mello, da Boutique FilmesConfira aqui esse papo!

Na semana passada, eu pude conferir o filme e também conversar um pouco com os diretores do filme. Confira o que eles tiveram a dizer no vídeo abaixo:

Anterior Com Amor, Simon | Crítica
Próxima Kristen Wiig pode ser a vilã de Mulher Maravilha 2

Sem Comentários

Deixe uma Mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *