Chewing Gum | Atriz  Michaela Coel acusa abuso sexual durante produção da série


A atriz e roteirista Michaela Coel revelou que foi abusada sexualmente durante a produção da comédia britânica Chewing Gum, série disponível na Netflix. De acordo com o Deadline, ela descreveu as consequências do ataque durante sua palestra no MacTaggart no Edinburgh International Television Festival.

Coel deu detalhes do ataque e como a produtora Retort, que é propriedade da FremantleMedia, lidou com a questão. Ela não citou o agressor, mas ressaltou que não foi estuprada nos escritórios ou por qualquer outra pessoa da empresa.

“Eu trabalhava durante a noite na empresa e precisava entregar o roteiro de um episódio às 7 da manhã. Fiz uma pausa e saí para tomar uma bebida com uma amiga que estava por perto. Só me lembro de estar digitando o episódio e eu tive sorte, pois tive um flashback da noite passada! Acontece que eu fui agredida sexualmente por estranhos. As primeiras pessoas a quem liguei depois da polícia, antes da minha própria família, foram os produtores”, conta ela.

A atriz também acrescentou que esta não foi sua única vez que sofreu assédio sexual desde que entrou no ramo do entretenimento.

“Eu ganhei um prêmio como roteirista. Na festa que aconteceu depois, um produtor de Londres se apresentou para mim. Eu disse “Prazer em conhecê-lo”.

Ele deu uma resposta imediata:

“Você sabe o quanto eu quero transar com você agora?”

Eu me virei e fui para casa tão rapidamente que deixei meu amigo sozinho. Mais tarde ele me ligou, chateado, dizendo que alguém o ofendeu com palavras racistas. Foi o mesmo homem!”

Coel, que também atuou em séries como Black Mirror e teve um pequeno papel em Star Wars: Os Últimos Jedi, disse que após o incidente de abuso, a produtora mandou-a para uma clínica particular e financiou sua terapia.