The Breakdown

Título Original: A Ciambra Lançamento: 03 de maio Direção: Jonas Carpignano Roteiro: Jonas Carpignano Gênero: Drama Elenco: Pio Amato, Koudous Seihon, Damiano Amato mais Nacionalidade: Itália, EUA, França, Suécia, Alemanha, Brasil
7.5
Pros
Atuações, trilha sonora.
Cons
Duração.

Em Ciganos da Ciambra, lançado recentemente somos imersos de maneira muito vigorosa em uma realidade totalmente particular, com códigos e manifestações muitas vezes contraditórias, porém que ganham força pelas atuações que se aproximam e expressam algo que parece crível.

A partir da ótica do protagonista Pio Amato, um jovem de 14 anos, somos conduzidos pelas vivências, modo de vida e hierarquias dentro de um grupo de ciganos Romani estabelecidos na Calábria, sul da Itália. Pio, assim como os jovens mais novos que ele e até mesmo as crianças do grupo já bebem e fumam e estão inseridos nessa cultura de boemia, atos considerados ilícitos, pequenas e grandes transgressões.

Entretanto, ele é um dos pouco que consegue transitar e se relacionar com facilidade entre os grupos que habitam a região, sendo os italianos locais, os refugiados africanos e o seu grupo de ciganos Romani, no qual busca destacar-se e ocupar uma posição de liderança e respeito, assim como o seu irmão mais velho Cosimo, sua referência do que é ser bem sucedido nessa sociedade.

A obra se torna uma espécie de confronto de Pio – e nós uma vez que somos guiados pela sua perspectiva – com essa fase de transição e formação de um ser que ainda está entrando na juventude, todavia ainda possui características de uma criança que joga bola, anda de bicicleta e brinca entre os seus semelhantes sem se preocupar com questões de ordem material, moral e de sobrevivência em uma concepção adulta, madura.

A todo momento ele busca provar-se maduro e capaz de exercer mais responsabilidades dentro dessa hierarquia estabelecida no grupo, é um jovem buscando a sua voz e poder de fala dentro de um contexto familiar e social, assim como tantos de nós, porém a partir de uma cultura própria, a cultura dos ciganos, um povo marginalizado, objeto de discriminação e preconceitos tantos quantos se possa imaginar, muitos deles inclusive reafirmados pelas condutas apresentadas na trama.

Em quase duas horas de filme – talvez não precisasse tanto, ao meu ver -, através de uma fotografia bela, de contrastes e profundidades, num jogo de luz e sombras que representam bem esse momento de dúvidas, transformação e auto afirmação do protagonista, Ciganos da Ciambra nos insere em um mundo interessante, diverso e totalmente intrigante.

Destaque também para a trilha sonora, em especial para Faded de Alan Walker que agrega muito para a energia do filme e seus personagens, bem como auxilia a demarcar bem esse momento pelo qual Pio está passando, seu amadurecimento e entendimento do que está deixando para trás, suas renúncias e conquistas nessa tomada de consciência.

Curiosidade: O longa tem produção do brasileiro Rodrigo Teixeira da RT Features, produtora baseada em São Paulo, o mesmo responsável por Call Me by Your Name, vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Adaptado e é também a marca de uma importante parceria para Rodrigo com Martin Scorsese, que é um dos produtores executivos da obra.

Previous Tudo que quero | Crítica
Next Quer Fazer Cinema? | Eles te ensinam na prática - Ethos Comunicação e Arte (Franthiesco Ballerini)

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *