El Chapo | Confira a crítica da série sobre o Narco mais procurado do México


A nova série criada pela Netflix e Univision foi lançada, dando inicio ao império de poder e matança do Narcotraficante El Chapo. E já conferimos os primeiros nove episódios.

Não há registros de spoilers

A série está dividida em três setores de ação, que cobrem os eventos desde 1985 até à data de sua primeira prisão, no entanto, e o que mais podemos presenciar são os aspectos de sua vida precoce. Em meio a sua estréia na Netflix e desde que o projeto foi revelado, sabe-se que o verdadeiro Chapo tentou impedir a Netflix de usar seu nome e imagem. Enquanto isso, a primeira temporada da série, que tem nove episódios já estão disponíveis na plataforma Netflix e foi ao ar na Univision.

A resposta do público a aceitação dos episódios têm sido favoráveis para a produção. É de fato é uma série muito interessante, cheia de drama, ação, que se aprofunda nas questões mais obscuras do tráfico de drogas no México. Em a um lado há a história conhecida do maior traficante de drogas do México, e, o outro lado é a dura crítica dos partidos políticos envolvidos nesse fenômeno, onde as autoridades mais importantes, federal, militar, empresários, etc. E que acima de todas as coisas almejam o dinheiro e poder.

O anfitrião desta série é bastante amargo e decidido, e existe um risco especifico de quando a série dedicada a estas questões, como as de ” Narcos ” , de se tornar a apologética líderes e o mundo do tráfico de drogas . Por outro lado, se levarmos em conta que eles são o resultado de uma pesquisa significativa e permitir-nos a conhecer e compreender os diversos fatores envolvidos nestes capítulos na história dos países envolvidos. Mas claro, não podemos esquecer que este é um show de entretenimento e é neste ponto que há decisão pessoal de usar ou não esse tipo de conteúdo como entretenimento.

 Para dizer a verdade, e para ser justo, “El Chapo” é uma série que teve um desenrolar menos enfeitado do que “Narcos” , principalmente por causa de seu formato. Na primeira, parte podemos conferir o Joaquín Guzmán e sua ascensão ao poder sem muita dramatização ou humor como em “Narcos”, que é narrado pelo personagem do agente da DEA, Steve Murphy.

O desempenho do ator mexicano Marco de la O como “El Chapo” é atraente, especialmente nos momentos de maior carga dramática e suas ações impulsivas. Mas, nesse sentido, é que vamos encontrar várias performances empolgantes. As recriações de alguns dos personagens reais também são fantasticas, como o presidente infame do México nos seus seis anos 88-94 de mandato, e outros como traficantes da época. episódios tem seu formato rico em recursos de narrativas que te prendem ao próximo episodio sem parar(conhecido como o efeito Maratona)

É fácil ficar preso a série “El Chapo”, embora para a segunda metade desta primeira temporada a história fica menos intensa. O inicio é cheio de detalhes sobre o surgimento do ”demônio” Chapo ser o traficante mais importante no México, aparecendo até em a lista de homens mais ricos no planeta . Tem um risco logico nessa série, pois a Netflix apresentou duas series no mesmo mundo com qualidades e técnicas diferentes. Dependendo do nível de repercussão uma das duas pode se tornar obsoleta. E pelo final da temporada a interpretação dramática da entrega de Chapo da mais apego histórico a esse personagem.

‘Marco de la O’ declarou em várias ocasiões em ambas as séries e suas ações não se destinam a elogiar ou julgar a pessoa de Joaquín Guzmán, mas para contar sua história e que o público vai estar no comando de seu próprio veredito a julgar ou simplesmente se entreter por mais uma historia incrível mesmo que seja terrível. El Chapo está agora preso na Metropolitan Correctional Center, Nova York, depois de ser extraditado para o Estados Unidos em 19 de janeiro deste 2017.

No geral, “El Chapo” é uma série que desperta interesse e mantém o seu ritmo dramático (embora faça uma mudança drástica na segunda metade da temporada). Para aqueles que apreciam estes assuntos vai encontrar uma série de entretenimento , e definitivamente não é um documentário , porque ele tem licença bastante dramático. Na primeira temporada, vamos ver a subida de Joaquín Guzmán como um “padrão” na era do Miguel Ángel Félix Gallardo e sua captura na Guatemala em 1993 para a prisão de segurança máxima conhecida como “Almoloya”.

Em setembro a segunda parcela da série estréia na Univision e mais tarde será lançado no Netflix.

[yasr_overall_rating size=”medium”]