Entre Irmãs | Crítica


Nota:

Data de lançamento 12 de outubro de 2017 (2h 15min) Direção: Breno Silveira Elenco: Nanda Costa, Marjorie Estiano, Júlio Machado mais Gênero Drama Nacionalidade Brasil
Nota do Site 10.0
Pros
Fotografia, Roteiro
Cons
Direção, Trilha sonora

Pernambuco, década de 1930. Luzia (Nanda Costa) e Emília (Marjorie Estiano) são irmãs que vivem na pequena Taguaritinga do Norte, ao lado da tia Sofia (Cyria Coentro), que lhes ensinou o ofício de costureira. Enquanto Emília sonha em se mudar para a cidade grande, Luzia se conforma com a realidade ao mesmo tempo em que lida com as dificuldades de ter um braço atrofiado, por ter caído de uma árvore quando criança. A vida destas três mulheres muda por completo quando o cangaceiro Carcará (Júlio Machado) cruza seu caminho, obrigando-as a costurar para o bando que lidera.

Com roteiro de Patrícia Andrade baseado na obra “O Cangaceiro e a Costureira“, do Frances Pontes Peebles o que vemos aqui é uma história interessante, mas com excessos que acaba prejudicando a mesma. Acompanhamos as histórias das duas irmãs de forma paralela, e é muito interessante perceber as diferenças na vida de cada uma, as dificuldades e as delícias de cada lado, enquanto uma vai para a cidade grande e lá encontra uma realidade bem diferente da que sonhava, a outra segue na dureza da vida no cangaço, contudo encontrando uma realidade que a surpreende para o bem. O problema é que há história e subtramas demais. Muitos assuntos são abordados: preconceito contra a mulher, hipocrisia, homossexualidade, ignorância e tantos outros, que até são bem trabalhados, mas por estender demais deixam o filme cansativo (são 2 horas e 40 min).

A direção de Breno Silveira, como sempre, é competente. Ele consegue dar ritmo ao, contudo mesmo com toda a sua competência há momentos que o longa fica cansativo. A mudança de ambiente é constante, e muitas vezes nos prendemos demais a uma história e abruptamente, passamos a outra nos deixando na expectativa. É importante ressaltar os trabalhos de fotografia que além de belo mostra bem o contraste daquela vida dura do sertão com aquela paisagem rica e dura; figurino, que acerta nas escolhas, mergulhando o espectador naquela época tão peculiar.

As atrizes Nanda Costa e Marjorie Estiano, entregam personagens bem ajustados e condizentes com a realidade. as reações delas vão mudando ao longo do filme e é possível perceber mudanças na forma de falar e andar de cada uma como reflexo do que viveram, são trabalhos complexos que se não fossem bem executados comprometem muito o filme. Letícia Colin como Lindalva consegue brilhar como uma mulher a frente do seu tempo, sem se prender aos ditos da sociedade da época, sua participação é pequena, mas marcante. Júlio Machado como o cangaceiro Carcará, é uma figura imponente, cheio de senso de responsabilidade e moral, talvez seu personagem seja romantizado, mas ele o entrega bem. Romulo Estrela é degas, preso às convenções da sociedade, tenta de toda forma viver segundo a vontade da família, é um trabalho triste e introspectivo.

Entre Irmãs aborda uma série de questões interessantes e polêmicas (ainda nos dias de hoje), mas se perde no excesso e acaba sendo cansativo. A seu favor pesa um elenco que consegue comprar a proposta e entrega um excelente trabalho.

Data de lançamento 12 de outubro de 2017 (2h 15min)
Direção: Breno Silveira
Elenco: Nanda Costa, Marjorie Estiano, Júlio Machado mais
Gênero Drama
Nacionalidade Brasil