Nota:

Data de lançamento 25 de outubro de 2018 (2h 02min) Direção: Donovan Marsh Elenco: Gerard Butler, Gary Oldman, Common mais Gêneros Ação, Suspense Nacionalidade EUA
4.0

O cinema de Hollywood as vezes parece em certas ocasiões ter o desejo de lançar as bases para a eclosão da Terceira Guerra Mundial; o confronto que, em qualquer caso, terá sempre o inchaço do orgulho americano como salvadores de um mundo que desde o berço até a morte foi dito que lhes pertence. Na indústria, especialmente a norte-americana, esse é um tema muito recorrente, mas ‘Fúria em Alto Mar’ diz tentar inovar com a criação de um universo onde uma Terceira Guerra Mundial poderia realmente explodir. 

 No filme um golpe militar na Rússia faz com que o presidente Zakarin (Alexander Diachenko ) seja seqüestrado. Para evitar uma Terceira Guerra Mundial, os Estados Unidos decide tomar medidas sobre o assunto e planejam um resgate. E é o capitão Joe Glass (Gerard Butler) que fica encarregado de comandar um dos pontos de vista dessa missão direto de um submarino.

A Maldição da Residência Hills | Crítica

 

Apesar de termos uma sinopse atraente, podemos perceber uma falta de aprofundamento nos personagens e suas histórias.  Algo para destacar é o grupo de atores que dão vida a este projeto, liderado por uma poderosa interpretação de Gerard Butler. O ator escocês deixa de lado sua reputação como galã para mostrar um sujeito mais maduro que ainda tem muito a ensinar. A capacidade de ter essa presença de palco é o que faz com que seja um bom leme para a equipe artística. Gary Oldman também faz sua parte como parceiro, mas ele não parece tão bom quanto o ator de 300. Infelizmente, seus colegas de cena, se tornam apenas complemento.

 

Mesmo assim, nota-se que ainda existe um preconceito com a diversidade de gêneros e o clichê de desenvolver toda a ação em um mundo de homens. As mulheres neste filme são relegadas a funções administrativas. Infelizmente, mesmo o personagem mais poderoso, o do presidente dos Estados Unidos, é ofuscado por figuras masculinas ao seu redor. 

O filme poderia é dividido em quatro partes: a situação na Rússia com seu presidente; as decisões do governo dos EUA; a missão do submarino e a equipe especial de resgate. O que deveria ser um conjunto, acaba fazendo uma grande diferenciação entre uma facção e outra.

Meu Anjo | Crítica

 

O problema é que a atenção do espectador é desviada por uma soma tão grande de informações em tão pouco tempo. Quatro histórias totalmente diferentes são contadas e compartilham uma mesma missão. É um filme que tentou acumular vários campos de uma só vez , mas não conseguiu gerenciá-los e caiu na falta de prioridade.

 A estrutura do labirinto que é formado pode ser vista em como você tenta dar importância a vários personagens, mas não simpatiza com a maioria. É mais um filme de guerra na indústria cinematográfica, porém muito bem feito a nível técnico. Um resultado regular que entretém, mas não fascina.