Guillermo del Toro faz crítica aos filmes de monstros contemporâneos


No começo do século 20, os filmes de monstros eram o maior sucesso dos cinemas. Em 2017, a Universal tentou ressuscitar sua franquia de criaturas de terror com A Múmia e não conseguiu.

Guillermo del Toro é conhecido por fazer filmes de monstros aclamados, e conversando com o ScreenRant, explicou por que, ao seu ver, a leva de longas contemporâneos do gênero não funciona. Spoiler: a culpa é do pós-modernismo:

Eu acho que existe uma atitude pós-modernista no gênero que tenta desarmar ou desconstruir o gênero de uma forma pós-moderna. E eu acho acho que quando você se aproxima dos personagens com amor, é menos seguro porque você não se coloca acima do material. Você está em seu próprio salto alto e é mais fácil ser irônico, então acho que é uma das razões.

Simplificando grosseiramente, a pós-modernidade se apresenta no cinema de duas maneiras: com a tentativa de se desconstruir valores antigos ao mesmo tempo em que eles são revisitados, referenciados e replicados à exaustão. Um bom exemplo disso é a onda recente de reboots, remakes e homenagens nostálgicas na cultura pop.

Del Toro está promovendo A Forma da Água, que estreia no Brasil em 11 de janeiro de 2018.