Insubstituível | Crítica


Por muitas vezes ouvi que medicina é sacerdócio, e de fato é uma rotina que se assemelha, afinal o médico deve estar disponível para atender àqueles que necessitam dos seus cuidados em qualquer momento do dia. E no caso do Dr. Jean-Pierre Werner (François Cluzet), protagonista de “Insubistituível”, filme francês que estreia hoje nos cinemas nacionais, é exatamente isso que se dá. Ele é um médico que trabalha há 30 anos com as famílias de uma cidade do interior longe de qualquer centro de saúde. Já possui uma relação de confiança e amizade, se tornou quase um membro das famílias que atende, vai as suas casas, mantém seus históricos quase que na memória.Habituado a cuidar dos outros há tanto tempo, é como se tivesse esquecido que também é um ser humano, com suas fragilidades e do mesmo modo está propenso às doenças das quais trata. Desta forma mais que o choque e relutância em admitir que precisa de tratamento, é a sua teimosia em aceitar ajuda e ainda compreender que não precisa fazer tudo sozinho, mesmo nos momentos que tenha condições para isso.

Jean-Pierre, como muitos de nós esquece que as funções que desempenhamos podem ser desenvolvidas por outros, tão bem e talvez até melhor. O mundo não para, ainda que você não consiga acompanhar, e esta é uma das constatações possíveis a ele – e a nós enquanto espectadores de sua história – quando conhece Nathalie (Marianne Denicourt), outra médica que passa a acompanhá-lo e auxiliá-lo com os pacientes.

Embora tenha uma temática dramática, o roteiro foi desenvolvido com uma dose de humor, tornando tudo mais leve e divertido de acompanhar. Também é bem interessante observar como a relação que ela vai construindo com os pacientes se reflete na relação dos dois. É  um filme que foca nas relações humanas e como elas influenciam os caminhos que escolhemos tomar.

Também há que se destacar a beleza da arquitetura rustica das construções utilizadas e dos campos verdinhos que circundam as estradas percorridas por eles diariamente. Isso tudo agregou ainda mais para o clima interiorano que o filme pedia e para nossa imersão na história.

Título Original: Médecin de Campagne

Lançamento: 09 de março

Direção: Thomas Lilti

Roteiro: Thomas Lilti

Elenco: François Cluzet e Marianne Denicourt

Gênero: Comédia dramática

Nacionalidade: França

[yasr_overall_rating size=”medium”]