KÓBLIC | Crítica 1


Saindo do cinema, não pode deixar de sentir-me um pouco desapontado com o filme dirigido por Sebastian Borensztein.

O mesmo conta uma aventura estranhamente amorosa entrelaçada num suspense policial que acontece na Argentina, período da ditadura militar da década de 70. Kóblic (Ricardo Darín), um ex-capitão das Forças Armadas, é responsável por coordenar as operações aéreas conhecidas como os “voos da morte“, onde elementos considerados subversivos eram arremessados de dentro dos aviões diretamente ao encontro do mar.

1466079836297_0570x0400_1466079895027

Sem enrolar muito, existem duas cenas que ocorrem no primeiro terço de “Kóblic”. Na primeira, o comissário interpretado por Oscar Martinez escuta de alguém que o piloto Thomas Kóblic é militar e, para obter mais algumas informações, esse decide fazer ameaças a algumas pessoas. A próxima cena tem Kóblic em uma conversa com Nancy (Inma Cuesta), em que, depois de três linhas de diálogo, já estão se beijando.

kob_bob4_still4_000001

Ambos funcionam como uma vitrine de tudo o que é certo e errado no filme. De um lado está o toque refinado de atuação de Darín, um dos recursos naturais infalíveis do cinema Argentino.  Além disso, há uma leveza alarmante na direção dos atores, com cenas onde as nuances delicadas atingem o pico dramático em um piscar de olhos.

Ainda é perceptível que o diretor e roteirista Borensztein, prepara o palco para dois eixos da trama: a rivalidade e o romance. É a partir desses dois eixos, que o filme tem como objetivo desenvolver uma crescente tensão e o progresso da história. Então, o que temos é, de repente um enorme conflito, que surge sem informações para nos fazer dar a importância que devíamos. Nesse momento acabamos não levando a briga gerada pelo romance muito a sério e de quebra esquecemos a tensão da rivalidade.

Embora o tema já seja improvável, pela situação e pela época (dado histórico), ainda se conseguiria engolir tudo isso se não fosse também a falta de sutileza nos momentos decisivos. Há uma atrapalhação geral na montagem que ofusca até a fotografia, e seus flashbacks que deviam ter importante função, passam despercebidos.

Data de lançamento 13 de outubro de 2016 (1h 55min)
Direção: Sebastián Borensztein
Elenco: Ricardo Darín, Inma Cuesta, Oscar Martinez
Gêneros Policial, Histórico, Suspense
Nacionalidades Argentina, Espanha
[yasr_overall_rating size=”medium”]