Monster Trucks | Crítica


Talvez já tenhamos visto algo muito parecido em algum lugar. A relação de Monster Trucks soa muito familiar, e de estranho, aqui só temos a criatura central da história.

Em uma cidade muito pequena, um jovem com algum tipo de atraso social ou problemas familiares, conhece uma entidade incomum, que poderia ser alheio (ET o extraterrestre), mitológica (Meu amigo o dragão), artificial (O Gigante de Ferro ), Marinha (Free Willy) ou qualquer outro. Um estranho ser que gera um vínculo emocional com o protagonista e juntos viveram aventuras que irão afetar no processo de amadurecimento Rapaz.

A criatura, é claro, requer a ajuda do amigo humano para retornar ao seu ambiente natural, que no melhor dos casos vai culminar em uma perseguição emocionante e uma despedida emocional.

Em ´Monster Trucks´, a forma desconhecida de vida vem de um ambiente aquático, nas profundezas da terra, e é involuntariamente trazida à superfície no processo de exploração de um poço de petróleo. Daqui em diante passamos a conhecer o Tripp (Lucas Till), um adolescente que em seu tempo livre trabalha em um ferro-velho, e está construindo um caminhão com peças antigas.

O filme apresenta uma visão engenhosa de simbiose biomecânica. Claro, é algo absurdo, mas engenhoso. O ser exótico, cuja aparência é uma espécie de mistura entre baleias e lulas, é integrado como um motor de “caminhão” para dar vida literalmente a um caminhão-monstro.

Com todo um perfil de entretenimento familiar, o longa chega a abordar tópicos interessantes para a juventude. Como a série animada de televisão Blaze Monster Machines, também produzida pelo canal de TV a cabo Nickelodeon, que foca no aprendizado de crianças sobre ciência, tecnologia e matemática. Nesse sentido ‘Monster Trucks’ tem algo a dizer. Não tão didático, nem tão contundente, mas o filme faz alusão a problemas sociais e ambientais. Começando por um vilão extraído do mais voraz capitalismo: uma empresa privada.

A companhia petrolífera desconhece qualquer tipo de limite, de modo a não interromper ou diminuir a sua capacidade de produção. Mas a pequena cidade dependente dela, e aproveitando isso não há a preocupação ou respeito com seus habitantes e autoridades. A descoberta de um novo ecossistema é apresentada como um obstáculo para os executivos. Um grande inconveniente que deve ser destruído e ocultado.

Chris Wedge é quem dirige e mantém essa história nas rédeas, o seu trabalho é correto, e ele consegue um bom resultado considerando as peças que tem. Existe uma tentativa péssima de nos comover com a história de Tripp e seu pai, mas há sucesso na relação entre o monstro e o protagonista.

O uso do óculos 3D é quase que dispensável, você nem vai perceber a diferença se resolver assistir a uma cópia convencional. Por sua vez, o trabalho gráfico usado para dar vida a criatura é memorável, claramente está a cima da média, e seu nível de perfeição se nivela a muitos filmes consagrados.

‘Monster Trucks’ é leve e divertido, e vai agradar ao seu público de destino, mesmo seguindo uma receita bem conhecida. É uma pena, mas perderam a oportunidade de desenvolver  personagens com potencial, subutilizando parte importante do elenco, que inclui, Danny Glover como o proprietário do ferro-velho, e Rob Lowe desempenhando o papel caricato de um executivo do petróleo.

Data de lançamento 23 de fevereiro de 2017 (1h 45min)
Direção: Chris Wedge
Elenco: Lucas Till, Jane Levy, Thomas Lennon mais
Gêneros Aventura, Família, Fantasia
Nacionalidade Eua
[yasr_overall_rating size=”medium”]