Não Se Aceitam Devoluções | Crítica


The Breakdown

Data de lançamento 31 de maio de 2018 Direção: André Moraes Elenco: Leandro Hassum, Laura Ramos, Zéu Britto mais Gênero Comédia dramática Nacionalidade Brasil
6.0

É possível que você já tenha chorado duas vezes com essa mesma história, mas Leandro Hassum revive personagem com dignidade, e vai levar às lágrimas mais uma vez, aqueles que não conseguem se conter com histórias dramáticas com crianças.

A comédia carregada de drama familiar é uma adaptação do filme “No se aceptan Devoluciones”. Sucesso até fora do México, o longa rendeu bons números nos EUA, resultando em seguida na concepção da sua segunda versão (Uma Família de Dois).

Deadpool 2 | Crítica

A nova montagem traduz os acontecimentos para a nossa realidade, e busca mostrar o afeto de um pai que procura fazer absolutamente tudo para agradar a sua filha.

O Próprio Eugenio Derbez, ator, diretor e escritor do filme original, foi surpreendido pelo sucesso econômico do projeto, e sem dúvidas deve se sentir bastante orgulhoso ao ver sua história sendo recontada pelo mundo.

Aqui no Brasil, Hassum é ‘Juca Valente’, proprietário de um quiosque no litoral de São Paulo. Um mulherengo convicto e rei da diversão. Juca detesta vive evitando as responsabilidades da vida, e não pensa em ter nada sério com ninguém.

Dizem que ser solteiro é uma maneira egoísta de passar sua vida. Mas embora alguns não concordem, é pelo menos o que podemos esperar de Juca nos primeiros minutos de filme. Isso, até o dia em que uma ex-namorada americana chega com um bebê lindo, prova de uma aventura casual do famoso Don Juan. Depois dessa mulher deixar o bebê e desaparecer, sua vida muda completamente. O ‘bon vivant’ então viaja para os Estados Unidos na intenção de devolver a criança, mas ele não podia imaginar que começaria a achar interessante a ideia de ser pai.

Crítica 1: Guerra Infinita não é para os fracos de coração

Muitas piadas nesse filme não funcionam, uma caricatura ao nível ‘fajuto trapalhões’ faz com que fiquemos pensando se vale a pena continuar, mas ao longo da história conseguimos nos envolver um pouco mais com a relação pai e filha. O drama também as vezes plástico na tela, torna-se em momentos, difícil de ser digerido, mas existe ali uma luz que vale a pena ser seguida. Hassum faz um pai preocupado, e capaz de passar por cima de todos os seus medos, para dar uma boa vida a sua pequena princesa. Já Manuela Kfouri (Emma) torna essa química mais solúvel, sua boa atuação é um degrau para acreditarmos nas motivações desse pai.

Nossa versão do longa é muito parecida com a original, e com certeza fará as pessoas mais sentimentais se emocionar, porém se você é muito exigente, essa não vai ser a sua reação. De qualquer forma, antes de julgar é preciso sempre assistir e tirar assim as suas conclusões.