O 8º FILME DO TARANTINO MOSTRA O SEU ESTILO INCONFUNDÍVEL JÁ NO PRIMEIRO TRAILER.


Em meados do mês de agosto, o grande Quentin Tarantino (lendário, ícone, um deus da cultura pop atual) liberou o primeiro trailer do seu mais novo trabalho, The Hateful Eight (Os 8 odiados, previsto para chegar no Brasil em jan/2016), e como já era esperado, criou-se naturalmente um hype gigantesco em torno deste acontecimento.

Tarantino já é bastante conhecido por sua autenticidade e por utilizar em seus filmes uma linguagem única e original. Esses filmes normalmente são caracterizados por: violência exacerbada, sangue (muuuuito sangue), personagens carismáticos e marcantes, e… vingança, é claro (e quando eu digo vingança, pode crer que Emily Thorne, aquela loirinha vingativa de Revenge,  é fichinha perto das vinganças escritas pelo mestre Taranta).

foto tarantino

Uma das características que mais me admiram em todos os seus trabalhos, são os diálogos super inteligentes e muito bem construídos seguindo uma linha cômica, bastante descontraída.  Ao mesmo tempo em que são tratados assuntos sérios e importantes como o nazismo e a escravidão, ele consegue nos fazer adorar o odiável Coronel Hans Landa (Christoph Waltz em Bastardos Inglórios) ou o Monsieur Calvin Candie (Leonardo DiCaprio em Django Livre).Tudo isso (sem desmerecer o trabalho de Chris e Leo, é claro) graças ao roteiro bem amarrado e direção impecável conduzida pelo próprio Quentin (Já ouviu aquele ditado que diz que o olho do dono engorda o gado? É mais ou menos por aí).

Esse diálogo irreverente juntamente com a violência exacerbada (e o sangue), já se mostram bem perceptíveis em Cães de Aluguel (1992) e Pulp Fiction (1994), seus primeiros filmes de grande repercussão. Isto foi ditando o ritmo e a narrativa dos seus filmes subseqüentes, e inspirando outros grandes diretores como o seu parça Robert Rodriguez (Era Uma Vez no México e Machete) e Guy Ritchie (Jogos, Trapaças e Dois Canos Fumegantes e Snatch – Porcos e Diamantes).

elenco the hateful eight

Dito isto, o que esperar deste trabalho (que mal conheço e já considero pacas?) cheio de rostos já conhecidos em seus filmes como Kurt Russell, Tim Roth, Michael Madsen e Samuel L. Jackson (este meeeeega conhecido)? Depois de homenagear alguns de seus gêneros preferidos como a cultura nipônica e o faroeste em Kill Bill e Django Livre respectivamente,  The Hateful Eight se apresenta como o seu 8º longa (longa este que quase não sai do papel por conta de um problema com o vazamento do roteiro na internet  há alguns meses atrás) trazendo um cenário western americano logo após a Guerra Civil (1870).

Enquanto janeiro não chega, nos contentamos com isso: