Nota:

Título Original: Geu-Hu - The Day After Lançamento: 12 de abril Direção: Hong Sangsoo Roteiro: Hong Sangsoo Gênero: Drama, comédia Elenco: Yunhee Cho, Ki Joabang, Minhee Kim, Kim Saebyuk e Kwon Haehyo Nacionalidade: Coréia do Sul
7.0
Pros
Atuações, fotografia, direção.
Cons
-

Já notaram como geralmente nossa expectativa sobre algum acontecimento nos faz focar apenas no momento em que aquilo acontecerá? No dia, na hora, no local, em quem estará lá, contudo sem nos inquietar com o depois? Se a vida vai seguir seu ritmo natural ou se tal acontecimento irá transformar radicalmente a sequência dos fatos. Como se o dia seguinte não fosse tão importante diante do que estava planejado para o hoje ou para o que apenas aconteceu.

Para Areum (Kim Minhee de A Criada), protagonista de O Dia Depois de Hong Sangsoo, que faz sua estreia hoje (12 de abril) nos cinemas nacionais, esse era apenas o seu primeiro dia de trabalho junto a Bongwan (Kwon Haehyo) e sua pequena editora. Porém para o seu chefe esse dia já entrava na categoria dos dias que sucederam a demissão de sua antiga funcionária que também ocupava o papel de sua amante e de quem ele gostava muito.

A CRIADA | CRÍTICA

Em um belo e agradável P&B, somos conduzidos nas idas e vindas de presente e passado através da chegada de Areum naquele ambiente e as memórias de Bongwan que se mesclam a sua aproximação e descobertas com a nova funcionária ao mesmo tempo que o leva de volta para os momentos vividos com a ex naqueles mesmos espaços.

Sem saber do que havia se passado, Areum se descobre no meio de uma situação complexa, constrangedora e muito íntima de seu chefe ao ser confrontada pela esposa dele que chega à editora questionando quem era ela e partindo para a agressão verbal e física por acreditar que era ela o objeto de desejo e adoração de seu marido, para quem ele havia escrito um bilhete apaixonado, o qual ela havia encontrado e portanto confirmando suas suspeitas de uma traição.

O Dia Depois resenha no Eiga desu!

De maneira simples, tranquila e até divertida em certos momentos nos deparamos com os conflitos vividos por cada um dos personagens e como suas histórias se entrelaçam e se dividem ao longo da produção. Desejos, inseguranças, impulsos, culpas, considerações, fé e esperança delineiam os personagens e suas vivências, nos confundem e estabelecem esse fio de conexão entre eles e nós.

Uma bela obra sobre a vida como ela é, na universalidade do tema e na maneira delicada e até bem humorada como é abordada por Hong e revelada em atuações precisas de seu elenco.

Anterior Rampage: Destruição Total | Crítica
Próxima De Encontro com a Vida | Crítica

Sem Comentários

Deixe uma Mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *