Nota:

Título Original: Sandome no Satsujin Lançamento: 19 de abril Direção: Hirokazu Kore-Eda Roteiro: Hirokazu Kore-Eda Gênero: Suspense, Drama Elenco: Masaharu Fukuyama, Kôji Yakusho, Isao Hashizume, Suzu Hirose, Mikako Ichikawa, Izumi Matsuoka, Shinnosuke Mitsushima, Yuki Saitô, Kôtarô Yoshida Nacionalidade: Japão
9.0
Pros
Atuações, direção.
Cons
-

Subjetividade, a balança que gere o mundo. Essa frase me veio à mente há quase um mês, e desde então, após deixá-la anotada para produzir algum texto a partir dela, ela vem reverberando e se validando diante de mim nas vivências que tenho tido.

A mais recente delas aconteceu ontem ao assistir o novo filme do cineasta japonês Hirokazu Kore-Eda, O Terceiro Assassinato que chega aos cinemas nacionais nessa quinta (19-04) e relata a história de Shigemori (Masaharu Fukuyama) um advogado renomado que assumiu a defesa de Misumi (Kôji Yakusho), um suspeito de roubo e assassinato, que já cumpriu pena de 30 anos por outros dois assassinatos. As probabilidades de ganhar o caso parecem extremamente baixas considerando que ele confessou a culpa livremente, acreditando que isso reduziria as chances de ser condenado à pena de morte. À medida que o advogado se aprofunda no caso, analisa novos fatos que vêm a tona enquanto escuta as testemunhas, ele começa a duvidar se o seu cliente é realmente o assassino e questionar por quê ele teria assumido a autoria desse crime.

E por que tal frase faz tanto sentido e poderia sintetizar bem tudo o que podemos observar e absorver da história? Porque tudo nessa vida é pautado nas referências, experiências e conhecimentos que construímos ao longo do tempo, desta forma a nossa percepção sobre algo ou alguém está condicionada à uma ótica muito pessoal, ainda quando buscamos a imparcialidade. Tanto que uma das bases que organizam e ao mesmo tempo travam a sociedade são as leis. Feitas por homens e para homens, elas são um perfeito exemplo de como tudo pode ser uma questão de interpretação, levando em conta que elas são aplicadas de maneiras divergentes em cada caso mediante brechas e criação de precedentes.

DEPOIS DA TEMPESTADE | CRÍTICA

Para Misumi, a condenação era algo dado como certo, pois para todos os envolvidos os seus antecedentes justificam e legitimam as suspeitas. No entanto, para seu advogado e consequentemente para nós espectadores cada novo detalhe que vai sendo revelado desperta incertezas, confusão e receio de estar envoltos por mentiras.

Com a aptidão de guiar seus atores em suas interpretações no tom exato que as narrativa exigem e em contar histórias que sejam críveis, envolventes e com um senso de estética belo, delicado, natural, Kore-Eda conduz cada detalhe de maneira muito orgânica em contextos familiares repletos de nuances, revelando sem pressa enredo, personagens com seus conflitos distintos bem como a cultura de seu país que é ao mesmo tempo tão peculiar e distante da nossa como semelhante.

Para aqueles que ainda não o conhecem, está aqui uma boa oportunidade.

Anterior Thoughts On Fundamental Aspects Of Mail Order Brides
Próxima Jurassic World: Reino Ameaçado | Admire o novo cartaz

Sem Comentários

Deixe uma Mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *