Nota:

Data de lançamento 31 de maio de 2018 Direção: Monique Gardenberg Elenco: Erasmo Carlos, Júlio Andrade, Hermila Guedes mais Gêneros Drama, Musical Nacionalidade Brasil
8.0

Uma grata surpresa foi encontrada em ‘Paraíso Perdido’.  O novo filme da cineasta Monique Gardenberg, que foi gravado em São Paulo, nos apresenta a jornada de uma excêntrica família. Trazendo a tona uma história repleta de desencontros, mas mostrando que ainda assim é possível ser feliz, o filme promete desencadear reflexões pessoais em cada um que o assista.

No filme, uma boate chamada Paraíso Perdido é a locação da nossa saga, um templo vivo onde a música brega ainda reina, e respira a trama que nos apresenta este universo através do olhar do policial Odair (Lee Taylor), após salvar a drag queen vivida por ‘Jaloo’ de um ataque homofóbico. Diante desse cenário violento, ele é contratado como segurança da drag, principal estrela da ‘Paraíso Perdido’, além de ser neta de José (Erasmo Carlos), dono do estabelecimento.

Como patriarca, Erasmo Carlos faz um belo trabalho e surpreende ao mostrar seu lado ator, tornando difícil até mesmo identificá-lo como o Erasmo que conhecemos.  Julio Andrade e Hermila Guedes são seus filhos (Angelo e Eva), Seu Jorge seu filho adotivo (Teylor), esse, dá um show ao emprestar a sua voz às letras que embalaram o brega da década de 70, Jaloo e Julia Konrad seus netos (Ímã e Celeste), Malu Galli dá vida a Nádia, ex-mulher de Ângelo, e Lee Taylor seu filho. Marjorie Estiano, Humberto Carrão, Felipe Abib são os agregados da família.

Com produção musical assinada por Zeca Baleiro, a trilha vai além, e busca inclusive apoiar a narrativa desse drama, ilustrando todos os acontecimentos que abordam sentimentos de traição, vingança e paixão.Presenciamos em cena uma bela homenagem ao gênero musical que até hoje embala nossas vidas. Destaque principal do projeto, a trilha nos traz canções de Marcio Greick, Reginaldo Rossi, Paulo Sergio, Valdick Soriano e ainda Raul Seixas, Roberto & do próprio Erasmo.

‘Praíso Perdido’ ecoa como uma poesia, do início ao seu fim, talvez sua montagem nos confunda por alguns instantes, mas nada tira o mérito por nos fazer recordar momentos de nosso passado, isso sem dúvida é um feito muito importante para um longa. O filme é digerido como uma história que poderíamos ter vivido, com amores que poderíamos ter tido, com dificuldades que certamente já passamos, e no final só quisemos que tudo acabasse bem. É sem dúvida uma mensagem bem passada e boa para ser absorvida.

Anterior Desobediência | Liberados cartaz e trailer de filme com atriz de 'Doutor Estranho'
Próxima Deadpool 2 | Crítica

Sem Comentários

Deixe uma Mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *