Nota:

Título Original: Paris Square Lançamento: 26 de abril Direção: Lucia Murat Roteiro: Lucia Murat e Raphael Montes Gênero: Thriller, drama Elenco: Grace Passô, Joana de Verona, Alex Brasil, Digão Ribeiro, Babu Santana, Marco Antonio Caponi Nacionalidade: Brasil, Portugal, Argentina
8.0
Pros
Atuações, fotografia, direção.
Cont
Duração.

Confrontar quem você é, o que você deseja, o que você passou e como aquilo contribuiu para quem você se tornou não é um processo fácil, contudo pode ser um caminho necessário para muitas descobertas, compreensão e aceitação. Talvez seja uma maneira de viver melhor consigo, mais equilibrada, saudável.

Na psicanálise todas essas questões podem ser provocadas e exercitadas, levando o analisando à uma evolução gradual à medida que ele vai estabelecendo com o seu analista a confiança necessária para falar abertamente sobre todas elas e quaisquer outras que forem surgindo durante as sessões.

No thriller Praça Paris, coprodução Brasil, Portugal, Argentina da cineasta Lucia Murat nós podemos acompanhar os desdobramentos da relação de Glória (Grace Passô) com a sua psicanalista, a portuguesa Camila (Joana de Verona), que veio ao Brasil para desenvolver uma pesquisa sobre violência num Centro de Terapia de uma universidade brasileira (UERJ), na qual Glória trabalha como ascensorista.

A realidade da personagem não é nada fácil, após ser abandonada ainda na infância pela mãe com o irmão menor e o pai alcoólatra, Glória se tornou aos 10 anos também vítima de abuso sexual pelo pai. Não, a vida realmente não tem sido fácil para ela, e para agravar ainda mais a situação, o seu irmão Jonas (Alex Brasil), se tornou traficante do morro e é a única pessoa com quem ela pode contar, mesmo que a partir de uma relação de superproteção e dominação.

A produção se desenrola pautada nessa relação e nas descobertas que cada uma delas vão fazendo a respeito uma da outra, em meio à uma cidade tomada – infelizmente também fora das telas- pela violência e conflitos armados entre militares e traficantes, ameaçando e amedrontando a população inteira. Com isso, somos nós também envoltos nesse medo crescente que vai se apoderando das personagens e essa energia desenvolvida em cena vai também trespassando para o ambiente em que nós como espectadores estamos.

É uma obra muito bem apresentada numa fotografia que evidencia o clima necessário para o enredo e valoriza as atuações absolutamente críveis e intensas por parte das protagonistas, demonstrando também a ótima condução de Lucia Murat que além da direção foi responsável pelo roteiro junto ao Raphael Montes.

Praça Paris fez sua estreia essa semana depois de ter sido destaque na Première Brasil do Festival do Rio, onde levou os prêmios de Melhor Atriz para a protagonista Grace Passô e Melhor Direção para Lucia Murat, merecidamente.