Sexo x Prazer x Trabalho | Conheça Nego Catra, premiado ator do cinema pornô nacional em papo bem honesto


Ao ler o título desse texto você pode se questionar: “Cinema pornô nacional?” “Por que raios a Priscila Miguel e o Cinema Sim estão falando sobre isso?” “E por que eu deveria ler?”

Ou talvez você nem pense nada disso, mas caiu aqui e por que não ver o rolou nesse papo?!

Vamos então à resposta do por que estamos falando sobre isso aqui.

Bem, eu conheci o Afonso Bispo dos Santos Junior – que adotou o nome Nego Catra em sua jornada como ator numa forma de homenagem ao músico Mr Catra – no curso Youtube Experience do Instituto de Cinema no fim do ano passado.

Numa turma tão plural como aquela, com palhaço, professora de francês, TI com pé em produção audiovisual, atores e estudantes de publicidade influencers, e eu, não deveria ser surpresa ter também um ator bem sucedido em um gênero tão específico.

Mas tenho que confessar que pra mim foi. E como o próprio Catra fala em nosso papo, eu assim como muitas outras pessoas temos um estereótipo formado sobre como seria a personalidade de um ator pornô. Não me orgulho em dizer isso, muito menos em ter essa ideia pré-concebida, porém não me envergonho em compartilhar, pois sei que faz parte da minha natureza como ser humano, a partir da minha bagagem e conhecimento projetar quem é o outro como um personagem, não necessariamente como ele é. E isso acontece até mesmo em relação a minha própria personalidade. Quem eu sou, quem eu acredito que eu sou ou quem eu quero ser se mesclam e refletem uma outra coisa.

E assim como a descrição vaga das personalidades que compunham aquela turma não exprimem de verdade as pessoas que elas são, afinal elas são muito mais que esses rótulos. Sensíveis, divertidas, talentosas e cada uma lutando suas próprias batalhas para conquistar seu espaço. E foi por isso que decidi lançar o convite ao Catra para essa entrevista, afinal, assim como eu pude descobrir no curto período de convivência do curso – ainda mais que eu fiz apenas alguns módulos – o fato de ele ser um ator pornô é apenas mais uma faceta do que compõe a pessoa Afonso/Catra, assim como o ator Selton Mello é apenas uma faceta do Selton ou ainda como o Cazuza era apenas uma faceta do Agenor, espero que vocês ao lerem também possam descobrir isso.

Obrigada Catra por ter aceitado o convite e que seu caminho seja de muita luz e conquistas.


Quem é você e o que você faz? Conte-nos um pouco da sua trajetória.

Bem, eu sempre  trabalhei desde pequeno.

Eu era bancário, trabalhei numa financeira, a Taií do Banco Itaú, e era promotor de rua. Trabalhava na São Judas, esquina com a Indianópolis, tinha um Itaú ali, agência 0150 e sempre passavam alguns atores para fazer exames e nessa eu conheci o Rogê Fonseca, eu fiz amizade com ele, e logo ele me falou: “Pô negão,  por que que tu não grava? Tu tem desenvoltura, é bonito, tal.”

Eu falei: “Pô, legal! Vamo vê.”

Aí eu fiz o teste, entrei na indústria.

Nessa que eu entrei na indústria eu pensei: “Vou me dar bem! Tem um monte de mulher bonita.”

Mas aí eu vi que o pornô não é o que as pessoas pensam, que é sexo, putaria, drogas… Não. Não, é um trabalho. Um trabalho como outro, é um ator normal como um ator da Globo ou do SBT. A diferença é que o sexo é explícito.

Mas hoje você parando para analisar, tem muitos filmes aí da Globo e minisséries que a galera nossa senhora, tá que tá.

 

E nisso eu fui estudando mais o nicho da indústria de sexo, pornô e hoje eu preferi amadurecer, utilizar mais esse nicho pra falar sobre sexo, tô com um projeto que é palestrar contando a minha história, os meus 10 anos de carreira e também dar palestras para casais, pra todo mundo falando sobre preliminar, sexo oral e tudo isso.

 

Eu também estou participando de alguns stand up, estou com o projeto para lançar o meu que vai ser sobre a história de um ator pornô, e ainda estou gravando o meu canal no Youtube que se chama “Vai ser gostoso”, vou levar uma galera da mídia pra um papo descontraído, estilo o programa do Bial com muitas pitadas de sexo com um espaço para a galera LGBT também.



Como a atuação entrou na sua vida e quais filmes se tornaram referência e inspiração pra você seguir e lutar por um espaço nesse mercado?

Pô, eu sempre gostei de sexo, neh! Mas todo mundo mundo tem vontade ser ator pornô e isso é que é o engraçado.Eu entrei por entrar. É que assim, eu já fui produtor musical, já trabalhei no meio da mídia e por que não trabalhar a minha mídia?

Aí eu comecei a gravar, a levar mais a sério, cuidar do meu meio artístico assim, eu o Nego Catra, e vi que o pornô começou a amadurecer, e isso que é legal, porque antes era só uma cena rápida, só sexo. E hoje não. Hoje algumas produtoras como a Splash e a Safada.tv que são os mesmos diretores valorizam mais o ator, a atriz.

Já é um trabalho bem mais cinema, bem mais artístico falando a realidade e é um filme com falas, tem histórias, valoriza mais a mulher, não machuca a mulher, deixa a mulher a vontade. E eu acredito que assim que todos os atores querem estar, tendo consciência que você é ator e não é só porque você está com uma mulher linda, maravilhosa que você vai machucar ela, não. Tu tem que saber como dar prazer para ela na hora da cena, como deixá-la à vontade.

 

E tem também o Sexy Hot que voltou com prêmio, voltou valorizando mais, fazendo filme de verdade, valorizando mais o ator com histórias e mostrando que o ator pode interpretar um personagem.

Ganhadores do Sexy Hot 2017 no The Noite com Danilo Getili

Tem 4 filmes que eu gosto muito mesmo. São,  Hacker: Câmera e ação do Sexy Hot e Histórias Sujas 1 e 2 da Splash. E ainda um que eu fiz pela Doce de Leite Produções, Striper  que é muito foda.


E como tem sido a experiência de também buscar espaço no mercado de cinema digamos “convencional”, considerando que você já possui uma carreira consolidada no pornô?

Eu vou te falar uma coisa, a indústria pornô tem muito o que melhorar ainda. Tem que valorizar muito mais seus atores e atrizes. A indústria deveria ter um sindicato, pra dar aos atores e atrizes um convênio médico, entre outras coisas que atores e atrizes precisam.

O diretores serem mais humanos. Não estou falando que eles não são, mas valorizar tanto a galera das antigas quanto a galera que está entrando.

E até mesmo o gênero pornô deveria ser mais valorizado, afinal todo mundo assisti, porém ainda fica esse preconceito. E pra eu conseguir meu espaço, eu sempre fui assim, humilde, nunca pisei em ninguém, mesmo muitos querendo pisar em mim. mas eu sei que isso acontece em qualquer lugar.

Sobre o cinema convencional, eu estou indo atrás, mas é bem difícil, ainda mais que eu estou fazendo isso sozinho, não tenho assessoria, então toda a ajuda é muito bem-vinda.

E eu quero muito, muito fazer um curta, muito entrar para o cinema mesmo que é a minha cara, quero muito.



Em algum momento já sentiu que não devia ter entrado para o mercado pornô? Fale um pouco sobre isso, os pré-conceitos e situações causadas pelas suas vivências nele ou alguma outra questão que julgue necessário compartilhar aqui.

Olha, eu vou te contar algo que eu nunca falei antes.

Por uma parte é muito difícil ser ator pornô. A nossa sociedade é muito preconceituosa e eu estou aqui para quebrar preconceitos, paradigmas, quebrar tudo. E uma coisa que eu vejo e analiso aqui nesse mundo que a gente vive que é muito foda. Quando as pessoas me conhecem, por exemplo, de primeiro impacto elas pensam que você é um cara escroto, um cara safado. Sabe, que não vai respeitar, só que quando as pessoas começam a falar comigo, elas se surpreendem e dizem: “Nossa, você é um ator pornô, não parece.”

E eu pergunto: “E não parece por que?”

E eles dizem: “Meu, não combina com você e tal.”

Eu já parei pra pensar e já me arrependi. Sim, eu já me arrependi de ser ator pornô, por causa de alguns trabalhos. As vezes eu acho que as pessoas têm medo de me chamar para fazer algum trabalho, por pensarem: “Ah, como assim, é um ator pornô.”

Isso já passou muito na minha cabeça, eu já quase fiquei, não em depressão, mas fiquei mal pra caramba, porque mano, eu sou uma pessoa também, independente se eu sou um ator pornô, ou não, era o meio que eu queria tentar pra fazer a minha mídia. E hoje, eu paro para analisar, e agradeço muito a Deus, mais eu quero e sei que vai melhorar muito mais ainda e essa galera da mídia toda vai entender e valorizar mais a pessoa, não só porque ela é ator ou não, etc o que ela seja. E eu vejo que o meu público hoje, os meus fãs, vem crescendo muito e eu venho conhecendo pessoas maravilhosas e quero muito mais.

E eu já passei por preconceito, já passei por muitas coisas, e não sei o que acontece, a pessoa quando conhece um ator pornô, ela assusta e diz, “Ah, mas você não parece ser.”.

É isso que precisa mudar. A galera precisa trabalhar o seu público, não tem que ficar com medo.

Veja São Paulo – Sexo e a Cidade – Astro pornô se torna palestrante erótico

Eu já até tive problema com familiares, já me perguntaram o que eu queria fazer nesse mundo louco aí, pelo amor de Deus. E hoje eu mostro totalmente diferente, eu faço outros trabalhos e tal, mas eu não fico mostrando nada para ninguém. Eu tenho é que me valorizar em primeiro lugar, sempre. Sempre se valorize em primeiro lugar. Se você quer isso, não desista, vá e faça.

Qual a sua relação com fãs/ seguidores?

Minha relação com os fãs?! Eu amo os meus fã, velho!

Eu apoio muito a causa LGBT, admiro e respeito todos os gays e todas as trans. Gosto de quem gosta do meu trabalho e me respeita. E eu só tenho a agradecer a todos os fãs que eu tenho. O prêmio que eu ganhei foi através deles e esse ano tem a premiação do Sexy Hot novamente, que é em outubro. Eu só tenho mesmo a agradecer. É cada carinho que eu nem acredito.

 

É muito provável que alguns muitos deles já tenham lhe confidenciado fantasias, pedido conselhos/dicas e até mesmo se declarado. Pensando nisso, você poderia compartilhar 3 situações/exemplos com a gente?

Pô, eu vou compartilhar sim.

Eu já fui pedido em casamento por um cara e por um casal que queriam me dar tudo.

Pô, eu dou várias dicas referente a ejaculação precoce, como você pode se cuidar para vários caras, conselhos para casais. E tem muitos homens que me procuram dizendo que não sabem como chupar uma mulher, não sabe como chegar numa mulher.

E sabe, uma coisa que eu tenho, desde pequeno e nunca vai sair de mim, é a humildade.

Desde os meus 8/9 anos, eu já vendi coxinha na rua, já catei papelão na rua, latinha, entendeu. E todo mundo dava risada, mas quando chegava no final de semana eu tinha dinheiro. Já entreguei marmita, já fui vendedor, já fui lambe-lambe, sabe, já trabalhei de várias coisas e eu estou tentando a minha carreira. Tentando fazer alguma coisa de novo nesse mundo, na mídia e toda a ajuda é bem-vinda. Eu não sou melhor que ninguém e tenho muito para aprender com você, com o outro e com outro.

E agradeço aí ao carinho de todos, ao seu carinho, ao teu afeto de vir me procurar aqui e que Deus abençoe você. Obrigado!