Tamo Junto | Crítica


Felipe (Leandro Soares) termina namoro de muitos anos para curtir a vida de solteiro. Só que ele descobre que as coisas não são tão boas assim, por uma série de desventuras acaba se re-aproximando de seu amigo da época de colégio, o esquisito Paulo Ricardo (Matheus Souza). juntos os dois pretendem curtir a vida de solteiro.

Com roteiro de  Matheus Souza, Bruno Bloch e Pedro Cadore, temos aqui um roteiro típico de filme de adolescentes em busca de aproveitar a vida (diga-se, sexo, mesmo que as personagens não sejam mais adolescentes). E o próprio roteiro usa isso num recurso de metalinguagem, quase que explicando ou prevendo o que acontecerá, o que é um recurso muito interessante. Contudo a história se perde um pouco. A primeira parte dá ênfase a Felipe e alguns aspectos dos comportamentos femininos e masculinos que são genuinamente engraçados. A segunda foca em Paulo Ricardo que vai se tornando divertido na medida inversa que o romance de Felipe e Júlia (Sophie Charlotte) se desenvolve. Há piadas muito boas mas em algum momento perde se o fio da meada e começamos a ver um desfile de diálogos sem graça e sem emoção.

tam

A direção de  Matheus Souza começa muito ágil e divertida, com piadas na hora certa explorando as situações e o universo dos solteiros de forma bem caricata e engraçada. Nota-se que o diretor se espelhou nos filmes desse tipo de gênero, e tenta refazer alguns elementos, uns dão certo, outros não. Contudo esse ritmo não se mantém em toda a narrativa e acaba se caindo numa montagem desinteressante e algumas vezes até piegas. Contudo ainda somos presenteados com algumas piadas que são eficientes. e isso acaba por salvar o filme. Há aqui muitas referências a cultura pop em todo lugar, séries, filmes, homenagem a grandes diretores como Wes Anderson entre outros.

20160818-tamojunto-tamo-junto-tamojunto-brasil-gramado

Quanto aos atores, Leandro Soares foi uma boa escolha para viver o protagonista, ele convence como um cara que tenta aproveitar mais a vida, mas não faz a mínima ideia por onde começar. Já Matheus Souza é a caricatura de nerd perfeita, antissocial, tímido, conhecedor de todo tipo de cultura pop, contudo há nele uma expectativa de mudar tudo isso, e ele sabe inclusive como fazer. Sophie Charlotte é pouco utilizada, seu arco não é bem desenvolvido e as suas motivações são vazias, a atriz se esforça, mas a personagem é subutilizada.

Tamo junto é um filme que quando acerta, faz isso de mão cheia, mas que também comete deslizes feios. Vi potencial para um “Superbad”, mas me frustrei com a segunda parte do longa. contudo é preciso dizer, este filme ainda consegue ser melhor que a maioria dos filmes nacionais de comédia lançados neste ano.

Data de lançamento 8 de dezembro de 2016 (1h 36min)
Direção: Matheus Souza
Elenco:Leandro Soares, Sophie Charlotte, Matheus Souzamais
Gênero: Comédia
Nacionalidade: Brasil
[yasr_overall_rating size=”medium”]